Nelson Mandela

18/07/2020

Rolihlahla Dalibhunga Mandela, mais conhecido como Nelson Mandela, nasceu em Mvezo, município de Cabo Oriental, África do Sul, em 18 de julho de 1918. Foi filho de Nkosi Mphakanyiswa Gadla Mandela, conselheiro principal do então rei-interino do povo de Thembu, e de Nonqaphi Nosekeni. 

Em 1925, iniciou seus estudos primários em uma escola em Qunu. Foi a partir de então que ele passou a ser chamado "Nelson", pois era uma tradição as crianças receberem nomes ingleses e cristãos. O nome foi uma homenagem ao almirante britânico Horatio Nelson, importante oficial durante as Guerras Napoleônicas, e foi escolhido por sua professora, Mdingane.

Aos 12 anos, seu pai morreu e o jovem foi acolhido por Jongintaba Dalindyebo, rei-interino do povo de Thembu,em sua vila real, em Mqhekezweni.

Nelson concluiu o ensino fundamental no Clarkebury Boarding Institute, exclusivo para negros da elite, e estudaria no internato Healdtown, onde concluiria seus estudos.

Universidade e Casamento

Em 1939, Mandela ingressou no curso de Bacharelado em Artes na Universidade de Fort Hare, a primeira a permitir estudantes negros na África do Sul, mas ele não concluiria os estudos por se envolver num protesto estudantil, o que causou problemas e fez com que se afastasse da instituição.

Quando o rei Jongintaba descobre, irrita-se com o jovem e ameaça obrigá-lo a se casar, caso não retomasse os estudos. Mandela foge, então, para Joanesburgo, capital do país, onde conseguiu emprego. Ali, conclui seu Bacharelado em Artes, agora por correspondência,na Universidade da África do Sul, em 1943.

No mesmo ano, iniciou os estudos no curso de Direito na Universidade de Witwatersrand, mas ele não viria a concluí-lo.

Em 1944, Mandela se casa com Evelyn Mase, enfermeira, com quem viria a ter quatro filhos: Makaziew (morta aos nove meses), Makaziew (em homenagem à primeira), Madiba Thembekile e Makgatho.

Envolvimento político

Durante este tempo, a África do Sul estava sob o regime do Apartheid (separação), que fazia com que a maioria dos habitantes, que era negra, tivesse seu direito suprimido em prol de uma minoria branca que estava no poder.

Quando Mandela afastou-se de sua cidade natal, deixando para trás a nobreza tribal e indo viver numa cidade como Joanesburgo, teve contato direto com os horrores da segregação racial.

Em 1944, Mandela, em conjunto com Sisulu, Oliver Tambo e outros, forma a Liga Juvenil do Congresso Nacional Africano, com o objetivo de combater a ala conservadora do Congresso e lutar pelo direito dos negros. Mandela ascendeu rapidamente dentro da liga, ganhando cada vez mais papel de liderança. Isso faz com que Mandela seja alvo de perseguições políticas.

O período em que Mandela estudou direito o permitiu exercer a advocacia, e em 1952, ele e Oliver Tambo fundam o primeiro escritório de advocacia da África do Sul.

Em 1955, Nelson e Evelyn se separam. A motivação provavelmente foi a dedicação de Mandela à luta política, deixando um pouco de lado a família. Ele voltaria a se casar em 1958, com Winnie Madikizela, com quem teria duas filhas: Zanani e Zindziswa.

Prisão

Por mais que a Liga Jovem do Congresso Nacional Africano fosse um movimento norteado por princípios de não-violência, o desenrolar dos fatos no contexto político da África do Sul, especialmente pelo Massacre de Sharpeville, em 21 de maço de 1960, no qual dezenas de manifestantes não-armados foram mortos, a direção da Liga permitiu que o movimento se tornasse armado, e Nelson Mandela foi para a clandestinidade.

Foi criado, em 1961, o Umkhonto we Sizwe ("lança de uma nação"), o braço armado da CNA.

Em 1962, viaja para Londres, na Inglaterra, e posteriormente para diversos países africanos, encontrando-se com diversas personalidades importantes.

Voltando para o país, é preso, em 5 de agosto de 1962, sendo enviado para a prisão de Marshall Square, em Joanesburgo, acusado de traição e incitação de desobediência. Há suspeitas de um possível envolvimento do governo dos EUA na prisão de Mandela, temendo que ele se aliasse aos comunistas.

Em 1964, Mandela fez o seu famoso discurso, conhecido como "Estou preparado para morrer", em Rivonia, que ganhou repercussão internacional e o apelo da comunidade internacional pela sua absolvição. Confira parte desse discurso (em tradução livre):

"Eu lutei contra a dominação branca, e eu lutei contra a dominação negra. Eu apreciei o ideal da democracia e de uma sociedade livre em que todas as pessoas viveriam juntas, em harmonia e com igualdade de oportunidade. Esse é um ideal pelo o qual eu espero viver e ver realizado. Mas se necessário, é um ideal pelo o qual eu estou preparado para morrer" (Trecho do discurso de Nelson Mandela no Julgamento de Rivonia, em 1964).

Em 12 de junho de 1964, entretanto, Mandela e os demais acusados foram condenados à morte, mas o juiz diminuiu a pena para prisão perpétua.

Libertação e Morte

Mandela passou 26 anos atrás das grades. Primeiramente, ficou por 18 anos na prisão da Ilha Robben, em Pretoria, tendo apenas um tapete de palha como cama. Lá, era obrigado a trabalhar quebrando pedras de calcário. O brilho do sol refletindo nelas afetou drasticamente sua visão.

Durante as décadas seguintes, a figura de Mandela tornou-se cada vez mais conhecida e a comunidade internacional continuava exigindo a sua libertação. Em 1980, popularizou-se o slogan "Mandela livre", mas o governo da África do Sul recusou-se a ceder.

Em 1982, foi transferido para a prisão de segurança máxima de Pollsmor, em Tokai, Cidade do Cabo. Lá ele ficaria até 1988, quando foi diagnosticado com tuberculose e transferido para uma casa, na prisão de Victor Verster, onde ficaria até o domingo de 11 de fevereiro de 1990, quando seria enfim libertado.

Deixando a prisão, continuou seu combate ao apartheid. Em 1993, assinou, com o então presidente, uma nova constituição, abrindo espaço para uma democracia multirracial.

Em 27 de abril de 1994, ganhou o Prêmio Nobel da Paz. Nesse mesmo ano, foi eleito presidente da África do Sul, aprovando uma série de reformas e leis em favor do direito dos negros. Ele seria presidente até 1999, quando ajudou na eleição de seu sucessor.

Casar-se-ia pela terceira vez em 1998, com Graça Machel.

Nelson Mandela morreu em 05 de dezembro de 2013, vítima de uma infecção pulmonar, em sua casa em Joanesburgo.