A orientação do mundo no pensamento africano

01/06/2021

Desde que nascemos, estamos acostumados a ver o mundo e os continentes em uma determinada posição. Mas este mapa-múndi que temos agora, de onde ele vem?

Na verdade, o mapa da África e do mundo que temos atualmente é um mapa reproduzido indefinidamente no modelo daquele desenhado pela primeira vez por um matemático, cartógrafo e geógrafo europeu do século 16, chamado Gerard Kremer a.k.a Gerard Mercator.

Mapa reproduzido no modelo desenhado por Mercator
Mapa reproduzido no modelo desenhado por Mercator

É importante ressaltar que os mapas reproduzidos pelos europeus no modelo de Mercator não foram realizados para representar o mundo como ele realmente era. Este mapa não está de acordo com o tamanho real dos continentes. Na época em que esses mapas foram desenhados, a Europa estava em um período de renascimento, havia viajado o mundo com seus "exploradores", etc., e estava em processo de dar um passo à frente. Esses mapas foram, portanto, fabricados de forma a mostrar a supremacia da Europa e do Ocidente sobre outras partes do mundo, e para mostrar, de acordo com o tamanho que cada continente tinha, o grau de respeito que os ocidentais estavam dispensando a um ou outro continente.

Lugares que estavam começando a ser explorados (África, etc.) e dominados (escravidão, etc.) foram posteriormente representados como inferiores (portanto, abaixo) aos lugares onde vivem pessoas "maiores". Podemos até ver o continente europeu representado como estando no centro deste mapa, a fim de mostrar que a Europa foi ou se tornou o "centro do mundo". É por isso que, desde então, os ocidentais fizeram do mapa de Mercator seu mapa mundial oficial. Esses mapas, inspirados nas obras de Mercator, são, portanto, falsos. Mercator fez um mapa que foi retomado e distorcido para fins ideológicos pela Europa.

Na verdade, a visão da África que costumamos ter é uma visão europeia e ocidental, uma visão da África do que agora é chamado de Norte. É por isso que quando vemos a África da Europa, vemos a África abaixo da Europa; os europeus que desenharam o mundo da forma como o perceberam de acordo com sua localização geográfica.

Mas nossos ancestrais não viram o continente como o vemos hoje.

A arqueologia revela que o ser humano nasceu na África, mais precisamente na região dos Grandes Lagos, ou seja, na nascente do Nilo. O Nilo se origina na área dos Grandes Lagos e deságua no Mediterrâneo. É daí que nossos ancestrais comuns vieram. E o homem nasceu e primeiro habitou regiões que se estendiam dos Grandes Lagos à África do Sul, etc. Assim, a partir dessas regiões (nascentes do Nilo, etc.) o homem primeiro se orientou. E a partir dessas regiões (grandes lagos, etc.), vê-se a África apenas de cabeça para baixo, em vez de como normalmente é representada. A partir dessas regiões (agora chamadas de Sul), vemos que a Europa está abaixo da África.

É assim que nossos ancestrais percebiam o continente. Você pode ver onde a região dos Grandes Lagos (área cercada) está localizada. Se pretendemos representar o nosso continente como deve ser, eis como o devemos fazer.
É assim que nossos ancestrais percebiam o continente. Você pode ver onde a região dos Grandes Lagos (área cercada) está localizada. Se pretendemos representar o nosso continente como deve ser, eis como o devemos fazer.

É assim que nossos ancestrais percebiam o continente. Você pode ver onde a região dos Grandes Lagos (área cercada) está localizada. Se pretendemos representar o nosso continente como deve ser, eis como o devemos fazer.

Isso é confirmado pelos textos faraônicos nos quais vemos que a civilização faraônica considerava essas regiões (Grandes Lagos, etc.) como a terra sagrada. Nos textos faraônicos, nossos ancestrais do Vale do Nilo chamavam essas regiões sob o rótulo de Ta Ntjer, que significa a Terra de Deus (Imana / Amen), e iam para lá em peregrinação. Portanto, quando outros povos falam hoje em terra santa e fazem peregrinações, eles não inventaram nada, mas reproduzem um conceito que já existia.

Nossos ancestrais no vale do Nilo conheciam muito bem esta montanha (Kilimanjaro) na região dos Grandes Lagos. Para eles era a montanha sagrada, a montanha sagrada de Deus (Imana / Amém). Eles a chamavam de “montanha de Manu” (no livro oficialmente chamado de “Livro dos Mortos”), ou “a pirâmide sagrada que abriga o ka divino para a eternidade” (o Livro do que está no Amduat). Portanto, é possível que, inspirando-se na impressionante forma e tamanho das montanhas, nossos ancestrais desenvolveram a ideia das pirâmides e as construíram.
Nossos ancestrais no vale do Nilo conheciam muito bem esta montanha (Kilimanjaro) na região dos Grandes Lagos. Para eles era a montanha sagrada, a montanha sagrada de Deus (Imana / Amém). Eles a chamavam de “montanha de Manu” (no livro oficialmente chamado de “Livro dos Mortos”), ou “a pirâmide sagrada que abriga o ka divino para a eternidade” (o Livro do que está no Amduat). Portanto, é possível que, inspirando-se na impressionante forma e tamanho das montanhas, nossos ancestrais desenvolveram a ideia das pirâmides e as construíram.

Como o Nilo desce os grandes lagos em direção ao Mediterrâneo, foi necessário descer o Nilo gradualmente para fundar a civilização do vale do Nilo. Foi o que aconteceu.

Quando saímos daquelas regiões que nossos ancestrais chamavam de Ta Neter (regiões dos Grandes Lagos ...), chegamos a Shemu ou Ta Shemu (que os ocidentais chamam de Alto Egito), o primeiro e mais antigo distrito de Ta Shemu é aquele que nosso ancestrais do vale do Nilo estavam chamando Ta Seti de acordo com os textos faraônicos; significa a terra do Arco; o terreno de onde vêm quem sabe manejar perfeitamente o arco. Esse é o verdadeiro nome de Núbia, o distrito faraônico mais antigo. Havia guerreiros muito habilidosos. Muitos daqueles guerreiros e soldados do exército faraônico vinham daquele distrito onde foram recrutados.

Soldados do período faraônico
Soldados do período faraônico

O termo Nubia foi inventado pelos ocidentais. Este nome vem da palavra faraônica "Nub" que significa ouro porque naquele distrito havia pedreiras e minas de ouro usadas por nossos ancestrais para fazer joias e artefatos de ouro. Os ocidentais nomearam aquela região de acordo com sua riqueza material. Ta Shemu se expande até o delta Ta Meri (nome real usado por nossos ancestrais para chamar o Egito). Ta Meri (Egito) termina com Mehu ou Ta Mehu, uma parte que compreende principalmente o Delta e a abertura para o mar que os ocidentais chamam de Baixo Egito.

Por que os ocidentais nomearam essas regiões Alto e Baixo Egito? Bem, porque eles sabem que nossos ancestrais estavam se dirigindo de cabeça para baixo em comparação com a maneira como nos dirigimos hoje em dia. Na verdade, quando olhamos para a divisão geográfica do mapa dos ocidentais sobre a civilização faraônica, nos perguntamos por que o Alto Egito, que deveria estar na parte norte do mapa, está localizado na parte sul do mapa e por que o Baixo Egito, que deveria ter estado no Sul está localizado no Norte.

Tudo agora faz sentido quando viramos o mapa de cabeça para baixo. O mapa invertido nos permite entender melhor a localização geográfica do Alto Egito e do Baixo Egito. Tudo junto estava fazendo o que chamamos de Kmt, Kemet, Kamita, Kama, o país do povo negro, ou seja, nosso continente como um todo.

Com o mapa "de cabeça para baixo" (que é realmente sua posição real), entendemos melhor o curso do Nilo (dos Grandes Lagos ao Mediterrâneo) e a localização do Alto e Baixo Egito. Esta é Kama, a terra de nossos ancestrais.

Como nossos ancestrais civilizaram muitas pessoas, essa percepção do mundo perdurou por muito tempo no mundo todo, embora os europeus tenham tentado desenhar o mundo de acordo com sua ideologia e sua localização geográfica.

Mapa do século 12 (vários séculos depois) desenhado pelo árabe Al-Idrisi, de acordo com essas normas antiquíssimas. Vemos a Europa abaixo do nosso continente
Mapa do século 12 (vários séculos depois) desenhado pelo árabe Al-Idrisi, de acordo com essas normas antiquíssimas. Vemos a Europa abaixo do nosso continente
Mapa do francês Nicolas Desliens em 1566 preservado na Biblioteca Nacional da França. Estes são os mapas mais recentes desse tipo. Os europeus removeram esses mapas ao longo do tempo para impor a versão incorreta dos mapas-múndi de propaganda de Mercator, que continua até agora.
Mapa do francês Nicolas Desliens em 1566 preservado na Biblioteca Nacional da França. Estes são os mapas mais recentes desse tipo. Os europeus removeram esses mapas ao longo do tempo para impor a versão incorreta dos mapas-múndi de propaganda de Mercator, que continua até agora.

As regiões que hoje chamamos de Sul foram consideradas Norte por nossos ancestrais. Isso talvez explique por que na chamada África do Sul atual ainda existe um povo, chamado "Povo do Céu", ou seja, o povo Zulu. Na verdade, Zulu significa "céu" e se refere ao que está acima. Se levarmos em consideração a percepção geográfica de nossos ancestrais, podemos sugerir que os zulus estão no topo (na verdade, no norte) do continente.

Mulheres do Povo do Céu, ou seja, o povo Zulu
Mulheres do Povo do Céu, ou seja, o povo Zulu
A projeção do mundo segundo o reverendo escocês James Gall. Remonta ao século XIX e retoma a visão do mundo europeu, mas contesta em bases científicas as proporções imprecisas dos continentes da versão oficial (Versão Mercator) popularizada pelo Ocidente e que se baseia no tamanho real dos continentes . Este mapa está, portanto, mais próximo da realidade no que diz respeito aos tamanhos reais dos blocos continentais do mundo. No século 20, este mapa foi assumido e melhorado pelo alemão Arno Peters. Este mapa é, portanto,
A projeção do mundo segundo o reverendo escocês James Gall. Remonta ao século XIX e retoma a visão do mundo europeu, mas contesta em bases científicas as proporções imprecisas dos continentes da versão oficial (Versão Mercator) popularizada pelo Ocidente e que se baseia no tamanho real dos continentes . Este mapa está, portanto, mais próximo da realidade no que diz respeito aos tamanhos reais dos blocos continentais do mundo. No século 20, este mapa foi assumido e melhorado pelo alemão Arno Peters. Este mapa é, portanto,

Portanto, se levarmos em consideração a visão de mundo herdada de nossos ancestrais, devemos representar o continente de cabeça para baixo em sua representação usual. Mas se levarmos em conta a visão européia e ocidental do mundo, representaremos a África na posição usual que conhecemos (que é de fato a posição desenhada pela Europa para a África).

Com efeito, cada povo desenha o mundo de acordo com a sua localização geográfica, pois de acordo com o posicionamento geográfico, tem-se uma percepção do mundo dado. Isso

significa que nem todas as pessoas podem ver a Terra do mesmo ângulo. Portanto, não é normal que os africanos tenham o mesmo mapa-múndi que os europeus (como é o caso hoje).

É por isso que o movimento afrocêntrico, preocupado em retornar aos valores ancestrais, traça o mapa da África e do mundo, "de cabeça para baixo", para mostrar seu apego à visão de mundo de nossos ancestrais.

É assim que devem ser os mapas da África e do mundo usados pelos africanos em um futuro próximo e distante.
É assim que devem ser os mapas da África e do mundo usados pelos africanos em um futuro próximo e distante.

Que os cartógrafos negros e os entusiastas da geografia se preparem para fazer novos mapas do mundo para os africanos, como fazem todos os povos!